A vida de um ciclista na Alemanha, na visão de uma brasileira

A cultura da bicicleta como modal urbano cresce a cada dia no Brasil. Seja pelos bons exemplos de pessoas que estão aderindo às magrelas ou pelo triste número de acidentes envolvendo ciclistas, cada dia mais se discute o assunto em todo o país.

Porém, o que ainda é apenas um embrião nos nossos centros urbanos já faz parte da vida de populações de outras partes do planeta. Exemplo disso veio da Alemanha, onde a brasileira Rita Sandner Amorim vive. Super fofa, ela nos mandou um depoimento de como é a vida dos ciclistas por lá.

Erlangen: A cidade das bicicletas!

foto1

Tem bicicleta pra tudo quanto é lado. Nos meus primeiros dias na Alemanha era comum quando andava pelas calçadas alemãs levar susto com campainhas que soavam às minhas costas. Eram bicicletas. Eu tinha o mau hábito de andar no meio da calçada, hoje já me enquadrei e fico irritada se encontro pessoas que cometem o mesmo erro que eu há algum tempo atrás.

Aliás, se estiver por aqui, tome cuidado com ciclovias, que são identificadas por faixas de cor diferenciada. Pode ter certeza de que o ciclista vai passar por cima de você, caso esteja andando por elas.

Em algumas cidades maiores, às vezes tem um semáforo só pra elas. Todo tipo de gente anda de bicicleta, velhinhos, senhoras, executivos, engravatados, pais com os filhos etc.

Mesmo tendo carro, muitas pessoas preferem a bicicleta para ir trabalhar, ou mesmo se divertir. Eu vou até ao mercado fazer compras, já que minha bike tem cestinha. Para andar a noite, a bicicleta precisa ter faróis e refletores.

Na Alemanha, a cultura de pedalar começa cedo, as crianças a partir de sete anos já podem ir à escola de bicicleta e pasmem: precisam tirar uma habilitação especial para isso. Tempo frio ou chuvoso não é motivo para não utilizar o meio de transporte, eu sou um exemplo vivo disso.

Basta colocar uma capa de chuva ou um bom casaco impermeável e sair pedalando. Mas uma coisa eu digo, é terrível andar de bicicleta nevando ou com vento contra…

foto2

Quem tem medo da neve, do frio ou até mesmo de uma ladeirinha, pode experimentar entrar com as ditas cujas nos ônibus ou até mesmo nos trens, esses meios de transportes têm um lugar especialmente reservado para isso, é só pagar.

Ahh, tem estacionamento para bicicletas pra todos os lados, e quando não tiver, estacione em lugares que não sejam proibidos, assim quando você voltar sua bike estará no lugar deixado, falo isso por experiência própria!

Rita Sandner Amorim

E aí onde você mora, como é a vida de um ciclista? Mande seu depoimento, comente, vamos discutir esse assunto!

Comentários

comentários

Deixe uma resposta