Bicicleta elétrica: Os prós e os contras

 

Um ano de bike elétrica, muitas experiências boas e outras nem tanto...
Um ano de bike elétrica, muitas experiências boas e outras nem tanto…

No final do ano passado, quando eu decidi adotar a bicicleta como meio de transporte, o tipo de bike que eu iria usar foi o primeiro (e principal) ponto a ser definido. Eu já tinha uma mountain bike, mas achava que não era o modelo mais adequado para aquela nova função. Para escolher a nova magrela, algumas coisas tinham que ser levadas em consideração, como o clima de Salvador (aquele calorzinho senegalês super agradável, #sóquenão), o relevo (para quem não sabe, minha cidade é dividida em Cidade Alta e Cidade Baixa, e só tem um elevador para ligar as duas, o resto é ladeira) e o fato do meu trabalho não ter chuveiro para um banho pós pedalada.

Com tudo isso, o requisito principal na hora de escolher o modelo da bicicleta era aquela que me ajudasse a suar o mínimo possível e chegar apresentável no trabalho. Foi quando eu comecei a pesquisar mais sobre as elétricas e descobri uma loja da Lev aqui em Salvador. Fui lá conhecer e me encantei pela bike. Ela era enorme e (muito) pesada, e também bem mais caras que as bikes “normais” (na época pague R$ 2.600,00) . Mas me pareceu bem potente e resistente e acabei levando o último modelo da loja (que infelizmente fechou pouco tempo depois :/).

E o que dizer sobre ela… a bike é excelente, chega a 30 km/h e tem uma autonomia de 35 km, mais do que o suficiente para meus deslocamentos diários. A bateria leva de seis a oito horas para carregar e só me deixou na mão uma vez, quando eu resolvi testar o limite dela, passei três dias andando sem recarregar e tive que voltar pra casa empurrando bicicleta de 35 kg ladeira acima (bem feito!).

Por falar em peso, no início tive que me acostumar com os muitos quilos da bike (que tem quase 70% do meu próprio peso), o que não foi tão fácil. Mas depois que você pega o jeito, ela se torna muito confortável e tranquila de usar. Tanto que meu objetivo inicial (de não chegar suada no trabalho) foi totalmente cumprido. Sério! Mesmo com todo calor e ladeira, eu chegava no trabalho sem suadeira e com o batom vermelho intacto na boca.

Porém, nem tudo são flores. Há pouco tempo, voltando para casa, eu passei por um prego enorme que destruiu a câmara do pneu traseiro. E o que seria uma simples troca de pneu (e levaria cinco minutos em uma bike comum), virou uma saga que levou semanas para ser solucionada. O problema estava no fato de todo o sistema de motor/bateria/etc ficar preso no pneu traseiro da bicicleta. Então para trocar a câmara, eu teria que praticamente desmontar a bike. Eu bem que tentei fazer isso sozinha, mas desisti na hora que percebi que tinham peças soltas que eu não tinha noção de onde eram. Como não tem assistência técnica na cidade, saí em busca de uma loja disposta a mexer em uma bicicleta cara e que pouca gente sabia como funcionava. Depois de achar esse bicicleteiro santo, veio outro problema: levar a bike até lá. Por ser muito pesada, não dava para levar em um transbike comum. Tinha que ser em um carro tipo picape ou então contratar um carreto (foi o que eu fiz). Agora imagine, tudo isso só para trocar um pneu furado. Já pensou se fosse um problema maior?

Resumo da história: bicicletas elétricas são excelentes opções de bike para quem quer se deslocar da forma mais confortável possível. Você chega ao seu destino sem suar, não se cansa e não precisa usar bermuda de ciclista e camisa dry-fit. De bike elétrica você pode pedalar elegante, com toda a comodidade e tranquilidade. Por outro lado, elas são bem mais caras e complicadas de consertar, então torça para não furar nenhum pneu nem ter problemas com o motor ou bateria. Também são bem mais pesadas e não permitem algumas manobras que as bicicletas normais realizam facilmente (como carregar e subir um lance de escadas, por exemplo). Como tudo na vida, nada é perfeito, mas eu não pretendo abrir mão da minha (apesar de achar a bike normal mais prática, em muitos momentos).

Comentários

comentários

One Reply to “Bicicleta elétrica: Os prós e os contras”

  1. […] já falei da minha experiência com bicicletas elétricas aqui e, em geral, acho uma excelente opção para quem mora em uma cidade muito quente e quer chegar […]

Deixe uma resposta