Dia Internacional do Ciclista e o sonho de dias melhores

ciclista
Porque estamos no caminho certo e dias melhores virão
Foto: Raphael Ribeiro

Hoje é o Dia Internacional do Ciclista e eu, como uma, acho que temos muito que comemorar. Eu sei, ainda são muitas vítimas Brasil afora. Vítimas trágicas, tristes, lamentáveis e desnecessárias. Sim, ainda há um desrespeito e uma falta de educação monstruosa no trânsito de todas as cidades desse país. Não entendemos ainda a bicicleta como opção real de deslocamento e os que lutam para se impor sobre duas rodas precisam matar um leão por dia para não serem mortos por ele.

Não acho que ser ciclista hoje seja uma opção fácil, nem segura, nem tranquila. Eu peço proteção a Deus cada vez que saio de casa e agradeço quando chego sã e salva de noite. Eu sinto uma dor monstruosa quando leio uma notícia de algum acidente na Paulista e uma revolta sem fim quando um motorista passa por mim “tirando fino” e buzinando para que eu saia da frente (como se eu fosse a culpada pelo trânsito caótico).

Mas então, por que comemorar? Porque finalmente estamos falando sobre isso. Porque cada vez que um ciclista é morto em uma avenida qualquer, isso vira notícia em todo o país. E se vira notícia, vira debate – prós e contras, mas ainda assim debates. E a polêmica se transforma em discussão, em argumentos, em informação, em gente influente dando seu pitaco. E assim, a passos lentos e dolorosos, uma nova semente começa a ser plantada nas cabeças dos brasileiros.

Essa semente, se continuar a ser nutrida, vai gerar frutos lindos, como a viatura da polícia que parou para me dar passagem um dia desses, ou a senhora que esperou eu passar para sair da garagem, e ainda o ônibus que foi parar quase na pista central de tanto se distanciar ao passar do meu lado.

Eu acho que estamos no caminho certo e isso é motivo para comemorar. Para mim, o copo está meio cheio. E digo mais, “today I have a dream” de que um dia isso não seja mais notícia, de que ciclistas sejam tão normais quanto motoristas e pedestres nas ruas desse país, e que o dia 15 de abril seja só para lembrar o quanto a bicicleta faz bem para nossas vidas, nossas cidades e nosso planeta.

Eu acho que a gente chega lá.

:)

Comentários

comentários

Deixe uma resposta