Libertemo-nos

Dizer “use seu cabelo como quiser” é libertador.
Dizer “você tem que usar seu cabelo natural” é só outra forma de opressão.

Dizer “pesquise sobre o parto humanizado e sobre a cesárea, escolha o que for melhor pra você” é libertador.
Dizer “se o médico permitir, você precisa fazer o parto humanizado” é só outra forma de opressão.

Dizer “aceite seu corpo como ele é, ou mude se quiser” é libertador.
Dizer “você tem que aceitar seu corpo como ele é” é só outra forma de opressão.

Dizer “foque sua vida no seu trabalho e estudo ou na maternidade e no cuidado com a casa. O que te fizer mais feliz” é libertador.
Dizer “mulheres precisam trabalhar e continuar estudando sempre” é só outra forma de opressão.

cover

Muitas vezes na tentativa de ajudar umas às outras a nos libertar de alguns tipos de controle, empregamos formas diferentes de opressão. Os exemplos citados são fatos que vejo muito em conversas entre mulheres e na mídia. Eu mesma já tomei posturas que representam “formas diferentes de opressão” e foi com muita reflexão que pude entender que não estava produzindo maior autonomia da mulher.

Feminismo envolve promover liberdade para a mulher.

Liberdade tem a ver com redução do controle social aversivo sobre as decisões da mulher sobre seu corpo e sua vida.
Como vamos promover liberdade impondo outro tipo de controle social para a mulher?

Quer promover liberdade para uma mulher?
Apenas aceite as decisões dela sobre sua própria vida e seu corpo e abstenha-se de opiniões pessoais.

A única pessoa que precisa opinar sobre a decisão de uma mulher é ela mesma.

Por Fernanda Brunkow

 

Comentários

comentários

Deixe uma resposta