O caos pode ser o início do novo

Nos últimos dias o nosso país se viu afundado em uma zona de instabilidade graças à crise dos combustíveis que eu, no auge dos meus 30 anos, nunca tinha visto. Como qualquer brasileira, também vi minha rotina ser afetada pela falta de combustível. Seja pela falta de gasolina ou de comida no mercado, foi chocante perceber o quão dependentes somos do petróleo. Sabe aquilo que todo mundo sabe na teoria, mas ninguém nunca viu assim, ao vivo, dentro de casa?

Só que toda dependência tem uma antagonista, que é a liberdade. E confrontar esse adversário, cuja ausência é capaz de tornar sua vida caótica, pode ser uma grande oportunidade de se libertar de algo que você nem sabia que era escravo.

Pois bem. Quem acompanha o blog sabe que por muito tempo eu usei a bicicleta como meio de transporte. Porém, com o vai e vem da vida, me vi mais uma vez dependente do carro. Tudo começou com uma ida justificada a um cliente mais distante e logo foi evoluindo para percursos mais próximos, ou pra aquele dia em que estava chovendo, ou porque eu precisava passar em outro lugar depois. Quando vi, já nem precisava de desculpas pra usar o carro para ir ali na esquina.

Há quatro dias estamos sem combustível no tanque e – preciso reconhecer – há muito tempo não tenho dias tão produtivos, leves e divertidos como esses. Redescobrir minha bike e a liberdade insuperável que ela me dá foi como um reencontro com uma amiga de infância, que há muito tempo não via. Percorrer as ruas do bairro a pé atrás de um lugar para almoçar e finalmente entrar naquele restaurante que todo dia eu passava pela frente e pensava “um dia tenho que vir aqui” foi recompensador. Ir ao mercado e levar minha sacola de pano (afinal, não tinha como voltar com várias sacolinhas de plástico de bike) me lembrou como o modo automático nos cega das coisas mais óbvias.

Não me entendam mal, eu espero que essa crise acabe logo e sei o quanto ela é prejudicial ao nosso país, mas não consigo não ver como ela também pode nos fazer acordar – seja para as decisões políticas que nos trouxeram até aqui, seja para o quanto a nossa dependência do petróleo pode ser desnecessária.

Por isso, quero aproveitar esse caos e te convidar a também repensar, se questionar e imaginar o quão mais leve e livre a vida pode ser sem combustível – mesmo que seja só um pouquinho.

Comentários

comentários

One Reply to “O caos pode ser o início do novo”

  1. É verdade.
    Nunca imaginei que esta paralisação dos caminhoneiros iria afetar tanto a vida de todos os brasileiros.
    Praticamente ficamos reféns deles e dos políticos.

    Lamentável…

Deixe uma resposta